Chegada a Maringá, agora faltam 700km




Cheguei em Maringá, após alguns dias de dedicação extra, as dores, não tem jeito me incomoda, mas agora vou tentar fazer uma fisioterapia, relaxar um pouco, a meta agora pela frente são 700km, que tenho que percorrer com muito cuidado.

A chuva agora voltou, mas a temperatura, está ótima, nem parece que fez tanto frio,  alguns dias atrás, estou escrevendo menos, pois o cansaço me persegue, e quando começo a escrever o sono me pega, a sensação que tenho agora, é de que cada dia é uma chegada, que tenho que comemorar, de forma intensa.

Não tem sido nada fácil, os sustos com os caminhões, o peso da mochila, as dores nas costas, mas sempre consigo buscar um motivo para seguir, tenho conhecido pessoas únicas, que tem me passado força, agora são 15 dias que me separam, da busca para a realização de um sonho, de percorrer o Brasil sem edições.

Quero mais uma vez agradecer a Tegma logística e a Crocs por apostar no meu trabalho, agradeço também a cada mensagem recebida aqui no blog, mensagens que me inspiram, me fortalecem e recarrega minhas energias no final de cada dia.

Meus olhos enchem de lágrimas, a cada hora que penso, que estou chegando, é ótimo irmos em busca de sonhos, mas voltar para abraçar a familia e os amigos, é algo muito importante.

Agora que estou em uma cidade maior, e alguns dias a frente quero dividir uma experiência, com vocês, Esses dias saí de Cruzeiro do Oeste rumo a Cianorte, madruguei saí antes da 5 horas, para adiantar os km, peguei minha mochila, e fui para os asfalto, ainda escuro, eu no acostamento, vi duas pessoas em uma  moto vindo ao meu encontro, o rapaz parou a moto, e perguntou se eu era policial, eu disse a ele que não, eles disseram que precisavam de dinheiro, para comprar pedra, e que eu ia pagar com a mochila, eu disse, mas estou correndo,(expliquei o significado do desafio) que podia dar R$20,00 para eles, que era o que eu tinha, eles resolveram, discutir um com o outro, até que um disse vai embora, eu peguei meu cartão do projeto e entreguei, um para cada um, eles me olharam e um bem magrinho, disse,você tá com coragem guri.

Minhas pernas enfraqueceram, e não conseguia, andar, eles foram embora sem levar nada, nem mochila, nem dinheiro, um  parecia estar sem droga  e o outro tremendo, justamente o que estava com a arma.

Não queria colocar essas coisas, aqui no blog, mas foi algo que ainda, estou tentando entender até agora, sei que depois fiquei mais forte, por isso, cada dia nessa estrada é uma grande vitória, eu agradeço a Deus por me proteger sempre.

É muito triste ver jovens, nessa vida, ali eu constatei, que eles, olham a vida, de forma tão banal, que se atirassem, não iria alterar em nada, sua visão de mundo.