Maratona na Selva,principais características

Maratona da Selva 2003 Amazonas

Em 2003, foi realizada no Brasil a primeira maratona na selva, no estado do Amazonas, no municipio Rio Preto da Eva,ás margens do Rio Preto da Eva.
Uma grande estrutura, feita pelo exército brasileiro,com o grupamento de selva,bombeiros, médicos de diversos países.
O atleta Marroquino Karin Mosta foi o campeão, a prova considerada, uma das mais difíceis, realizada em floresta, exigiu dos atletas, senso de organização, atenção redobrada, para correr nas trilhas, na mata fechada, resistência fisica e mental para superar as descidas e subidas,com muitos troncos, cipós, capim cortante.
Os animais, também foram uma preocupação para os atletas, muitas formigas, escorpiões, arraias,algumas cobras e é lógico o medo de todos de encontrar com uma onça.
A prova tem a umidade como maior desafio, o clima é 100% umido, fazendo com que o corpo perca muita água,se o atleta não se concentrar na hidratação, o risco de uma desidratação é enorme.
Um dos maiores problemas para os atletas, são os pés, pois tem muitos rios, e os pés ficam umidos, o tempo todo, por isso é importante, escolher bem o material da meia, evitar meias de algodão,e preferir tecidos com alta absorção.
Dormimos em comunidades, ribeirinhas, no meio da floresta,em uma integração com o povo local, fascinante.
Chegamos em Manaus ficamos uma noite, e depois viajamos de barco por 8 horas, até o primeiro acampamento, uma experiência digna de um filme, eu particularmente fiquei emocionado de poder chegar na maior floresta do planeta.

Após 7 dias, no meio da floresta, escutando, os macacos, passaros exóticos, entrar e sair dos igarapés, com água transparente, chegar na comunidade de Rio Preto da Eva com uma multidão aplaudindo, deixou os attletas em estado de plenitude.

Foram os 250 km mais longos que eu percorri, por conta das dificuldades de movimentação na mata, mas foram momentos de muito fortalecimento mental.

Eu recomendo essa corrida em um dos ambientes mais fascinantes , do planeta .

Abraços
Carlos Dias