40 anos de idade e 20 anos de corridas

Hoje completo meus quarenta anos de idade e também completo duas décadas de prática de corridas.

Foram muitos os desafios na vida, muitos sonhos realizados e muitos foram os nãos recebidos nesse processo de desenvolvimento constante.

Do meu acampamento base que era o quintal de casa em São Bernardo do Campo, ousei sonhar em conhecer lugares distântes, não sabia muito como seria mas aos poucos fui encontrando os caminhos.

Vendi doces,fui comprador,vendedor,instrutor,joguei futebol,volei,ciclismo e paraquedismo e encontrei a corrida que me fez conhecer o mundo.

Me formei em uma universidade,me tornei pai de um filho que me inspira a seguir em frente, recebi um legado de exemplos de força,fé e doação da minha mãe, perdi o chão quando ela faleceu, e hoje sei que um dia ainda vou encontrar ela em algum lugar pois estamos somente de passagem por aqui.

Fiz grandes amigos nas diversas regiões do planeta, conquistei desafios ousados e fui considerado por mídias internacionais como super humano.

Abracei a causa do combate ao câncer infantil como minha mola propulsora de nunca desistir de acreditar na vida.

Grandes empresas acreditaram no meu trabalho e agradeço a cada uma delas pela parceria no esporte.

Sim tive amores mas nessa área continuo aprendendo, um dia eu  acerto .

Minha maior paixão é ir de encontro a natureza,conhecer novas culturas, com as próprias pernas outra paixão é a dança me deixa leve e alonga meu corpo mesmo depois de um treino longo.

Minha maior riqueza são os amigos que conquistei.


Só tenho que agradecer a Deus pelos passos dados até aqui, minha familia, meu filho, meus amigos, parceiros,fisioterapeutas, quiropraxicista,podólogos,massoterapeutas, psicólogos,nutricionistas, treinador, preparadores físicos,imprensa  e cada desafio que me fez aprender a olhar a vida de forma mais ampla.

"Um dia cheguei em Katimandú e tive uma mostra de tudo que se passou nos meus 40 anos de vida, em apenas 400 metros nas ruas do centro da cidade vi  a sujeira, barulho,choro,a fome de crianças,morte,casamentos, abandono, mas vi a gentileza,emoção,alegria, cores, beleza,inquietação, aperto de mãos, medo, incerteza enfim vi a vida como ela é sem máscaras, a vida segue  e devemos transformar o chumbo recebido a cada dia em ouro de fé, entusiasmo, doação e amor".namastê Carlos Dias