Entrevista com a Fisioterapeuta Tatiana Abreu

Muitos atletas estão começando seu planejamento para corridas ao longo do ano e então é muito importante termos as dicas de um profissional da área de fisioterapia para tentar amenizar lesões no decorrer das competições e melhorar a qualidade na prática da atividade física. A Fisioterapeuta Tatiana Abreu respondeu algumas perguntas a respeito de ultramaratona.



 



1- Tatiana  me diz como e quando decidiu dedicar-se a ultramaratonistas ?
       Sempre fui apaixonada pela medicina e fisioterapia esportiva. Desde sempre gostaria de trabalhar com isso!
A ultramaratona acabou entrando em minha vida, na minha carreira, com o próprio

Carlos, que um dia chegou me convidando à acompanhá-lo e tratar de possíveis lesões na ultramaratona BR135. Aceitei, com prazer, e quando vi, não estava só tratando do Carlos, e sim de todos os atletas da prova, que eram uns 50 naquele ano. Nesta prova (que considero meio mágica), pensei muito sobre minha vida e minha carreira, e dali em diante, minha vida profissional tomou uma direção bem diferente...
 
   2- O que viu mais de curioso em atletas de longa distância? e qual sua visão de ultra atletas?
       O que mais me chamou a atenção nos ultra atletas foi a determinação, a persistência, a superação,  e acima de tudo a garra e coragem de todos, sem exceção. Fiquei fascinada por aquele mundo, meio novo aos meus olhos. E passei a admirar-los cada vez mais ...
        Minha visão de atletas de longa distância é que são meio loucos, meio fantásticos... Meio absurdos, totalmente simpáticos !!! Determinados, disciplinados e companheiros...
 
  3- Quais a lesões mais comuns em ultras?
      Com certeza as lesões mais comuns são aquelas que se dão por sobrecarga, alto volume de treinos, como: tendinites ou tenossinovites (principalmente em membros inferiores: tornozelo, joelho e quadril), canelites, fasceíte plantar, lesões na coluna lombar devido ao impacto e erros de posicionamento, e hoje em dia bastante atletas de longa distância com dores na articulação do quadril. Tudo isso tem que ser avaliado cautelosamente para ser descoberta a CAUSA do problema, e não ficar só tratando dos sintomas! O overtraining é bem comum também, quando o atleta já não responde mais aos estímulos dados, devido à forte fadiga.
 
   4- Quais as dicas que você pode dar aos atletas que estão buscando entrar na corrida?
       Quem é iniciante deve ter muita calma... Não querer atropelar as coisas...
1) Primeiramente fazer um check up, ver se está tudo Ok com sua saúde.
2) Buscar orientação de um profissional de educação física para iniciar seus treinos.
3) Adquirir um bom par de tênis, condizente com seu tipo de pisada
4) Qualquer problema, buscar orientação médica e/ou fisioterapêutica para tratamento imediato. Quanto antes iniciar tratamento para qualquer tipo de lesão, melhor o prognóstico.
 
  5- Como surgiu a ideia da fisiorun e quem é o foco da equipe?
      A idéia da Fisio Run www.fisiorun.com.br surgiu naquela mesma BR135. Pensei: Poxa, uma modalidade tão bacana, os atletas precisando de auxílio na área, e não existem fisioterapeutas trabalhando com isso???  Vou mergulhar de cabeça!
      A equipe foi formada no início de 2008 e conta hoje com 15 fisioterapeutas treinados, trabalhando como um time, com interação total. Fazemos todo o trabalho fisioterápico dentro da prova de corrida. Montamos uma estrutura de clínica móvel, para poder atender os atletas.
      Dispomos de: alongamentos específicos, tratamentos de lesões, tratamento para bolhas, massagem, relaxamento, reflexologia podal, primeiros socorros, spiral taping e até auriculo acupuntura. Chegamos até a realizar tratamentos no local com aparelhos de eletroterapia, como laser, ultra som e TENS.
      O público alvo são atletas amadores e profissionais de corridas de rua, maratonas e ultras.
 
 6- Você já participou de alguma corrida fora do Brasil?
      Nunca! Mas bem que gostaria!!!!
 
 7- Qual o seu maior sonho ?
      Participar com a Fisio Run das Olimpíadas, tratando os atletas da maratona e atletismo.